segunda-feira, 17 de abril de 2017

aos perdedores

perdedor no certame com copirraite a seguir
“Coração de Inocência Puro”
e tento um jardim japonês
retento um tatame de veludo roxo
a rotina a velha a boa rotina de perdedor
mas porra puta merda
porque eu sou marrento mermão
adiante mesmo sem norte

a rosa dos ventos sopra e
faz cócegas num dente-de-leão

êxito que eriça

seios pontilhados

(confissão:)
sim eu sou um fracasso que ejacula

***

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

a vestal

arroja-se em aventuras
lutando basicamente contra o mundo natural
finalmente sai-se vitoriosa
misteriosa com poderes divinos o que é divino?
enfim, volta a dádiva
nos entornos da dúvida
sem acordo um indivíduo povo universo
abrangendo toda a humanidade
e também um violino
e também uma formiga
e também as teorias de helena petrovna blavatsky
enfim, é a dependência acerca do primeiro episódio
um desafio
um onde antes de tudo

***

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

beowulf

de uma das paredes
domínio de muitos devorados

de uma das paredes
aquela lâmina
o vômito
o vapor

há monstros no covil da parede
a parede pintaram-lhe um motivo marítimo-celestelar

de que adianta vai
o grande herói ao pé da parede caído ao chão
esvaindo pela ferida putz uma série de esquírolas
em forma de melancólicos
adeuses?

***

sábado, 10 de setembro de 2016

flw

do que se fala
um ralo de esgoto
por onde reme las mele cas ra nhos catar ros and cu
spes et lágrimas ainda virgens
uma gota de esperma que escapou (pô! foi maus aí perdão!)


do que se fala
um alô e aí tudo bem?

do que se fala
maluf malafaia (as boas falas)

do que se fala
um halo de silêncio

do que se
fala?

***

domingo, 6 de dezembro de 2015

ironia? me surpreenda!


em busca de ironia?
não há têmpera na luz que sai de seus olhos
não há nem um grânulo de sal no suor que está secando na superfície da sua nuca

ministro de súbito um processo de derrocada
lição de hoje: um dia morreremos para além das artes cênicas

sob o lençol
apenas o sono
os músculos & os ossos

tenho uma necessidade física de dizer eu te amo
mas eu sinto que devemos, enfim, dormir

***

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

dia da consciência de que o sr. aldir blanc é um excelente compositor


eu
nem ligo
se me dizem ou melhor se me ensinam Algo
que já não soubesse desde que nasci
eu
frágil momo saci
e
também não sou obrigado vão tudo se foder a gostar d
o FEMEN Paulo Freire
nem dos poemas do nicolas behr
eu
negro gordo mulher

***

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Um banjo

Um bandolim, não, em nada se parece com
uma goiabeira carregadinha
(se eu não quiser).
Aprecio o virtuosismo ao bandolim,
mesmo assim não pode, a
princípio, ou por princípio,
o cara compor um trash grindcore. Mas eu quero.

Quero também que o canudinho usado para se
tomar um suco de uva sirva
de monumento na
praça da Matriz. Ele é
cavalo,
cavaleiro. Asa. Asa para compor a coisa delituosa.

E quando Jimmi Hendrix
inventa de tocar o meu bandolim
palhetando um canudinho desses,
sai de perto!

***